Index   Back Top Print

[ DE  - EN  - ES  - FR  - IT  - PT ]

DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AOS FIÉIS DA DIOCESE ITALIANA
DE TERNI-NARNI-AMELIA

Sala Paulo VI
Sábado, 26 de Março de 2011

 

Estimados irmãos e irmãs

Estou muito feliz por vos receber esta manhã e por vos dirigir a minha cordial saudação às autoridades presentes, às trabalhadoras e aos trabalhadores, bem como a todos vós que viestes em peregrinação até à Sé de Pedro. Dirijo uma saudação particular ao vosso Bispo, D. Vincenzo Paglia, a quem agradeço as palavras que me dirigiu também em vosso nome. Viestes numerosos para este encontro — lamento que alguns não tenham podido entrar — aproveitando a ocasião do trigésimo aniversário da visita de João Paulo II a Terni. Hoje, queremos recordá-lo de maneira especial pelo amor que demonstrou pelo mundo do trabalho; quase podemos ouvi-lo repetir as primeiras palavras que ele pronunciou, logo que chegou a Terni: «A principal finalidade desta visita, que se realiza no dia de São José... consiste em trazer uma palavra de encorajamento a todos os trabalhadores... e exprimir-lhes-ei a minha solidariedade, a minha amizade e o meu afecto» (Discurso às autoridades, Terni, 19 de Março de 1981). Faço meus estes sentimentos, e abraço-vos cordialmente a todos vós e as vossas famílias. No dia da minha eleição, também eu me apresentei convictamente como um «humilde trabalhador na vinha do Senhor» e, hoje, juntamente convosco, gostaria de recordar todos os trabalhadores e confiá-los à tutela de são José trabalhador.

Terni é caracterizada pela presença de uma das maiores fábricas de aço, que contribuiu para o crescimento de uma significativa realidade operária. Um caminho marcado por luzes, mas também por momentos difíceis, como aquele que estamos a viver nos dias de hoje. A crise da estrutura industrial está a pôr à dura prova a vida da cidade, que deve reconsiderar o seu futuro. Em tudo isto está envolvida também a vossa vida de trabalhadores e a vida das vossas famílias. Nas palavras do vosso Bispo, senti o eco das preocupações que trazeis no coração. Sei que a Igreja diocesana as faz suas e sente a responsabilidade de permanecer ao vosso lado para vos comunicar a esperança do Evangelho e a força para edificar uma sociedade mais justa e mais digna do homem. E fá-lo a partir da nascente, isto é, da Eucaristia. Na sua primeira carta pastoral, A Eucaristia salva o mundo, o vosso Bispo indicou-vos qual é a fonte da qual beber e para a qual voltar, para viver a alegria da fé e a paixão para melhorar o mundo. Assim, a Eucaristia do Domingo tornou-se o fulcro da obra pastoral da Diocese. Trata-se de uma escolha que deu os seus frutos; aumentou a participação na Eucaristia dominical, onde tem início o compromisso da própria Diocese para o caminho da vossa Terra. Com efeito, da Eucaristia, onde Cristo se torna presente no seu gesto supremo de amor por todos nós, aprendemos a habitar a sociedade como cristãos, para a tornar mais hospitaleira, mais solidária, mais atenta às necessidades de todos, particularmente dos mais frágeis, e mais rica de amor. Santo Inácio de Antioquia, bispo e mártir, definia os cristãos como aqueles que «vivem segundo o Domingo» (iuxta dominicum viventes), ou seja, «segundo a Eucaristia». Viver de maneira «eucarística» significa viver como um único Corpo, uma única família, uma sociedade unida pelo amor. A exortação a serem «eucarísticos» não é um simples convite moral dirigido à sociedade, às pessoas individualmente; é muito mais: é a exortação a participar no próprio dinamismo de Jesus, que oferece a sua vida pelos outros, para que todos sejam um só.

É neste horizonte que se insere também o tema do trabalho, que hoje vos preocupa com os seus problemas, sobretudo o do desemprego. É importante ter sempre presente que o trabalho constitui um dos elementos fundamentais, tanto da pessoa humana como da sociedade em geral. As condições de trabalho difíceis ou precárias tornam difíceis e precárias as condições da própria sociedade, as condições de uma vida ordenada em conformidade com as exigências do bem comum. Na Encíclica Caritas in veritate — como recordava D. Paglia — exortei a não deixar «que se continue a perseguir como prioritário o objectivo do acesso ao trabalho para todos, ou da sua manutenção» (n. 32). Gostaria de recordar também o grave problema da segurança no trabalho. Sei que tivestes de enfrentar várias vezes esta trágica realidade. É necessário pôr em campo todos os esforços para que a cadeia das mortes e dos acidentes seja interrompida. Além disso, o que dizer sobre a precariedade do trabalho, sobretudo no que se refere ao mundo juvenil? Trata-se de um aspecto que não deixa de criar angústia em numerosas famílias! O Bispo mencionava também a difícil situação da indústria química da vossa cidade, assim como as problemáticas no campo siderúrgico. Estou-vos particularmente próximo, enquanto deposito nas mãos de Deus todas as vossas ansiedades e preocupações e formulo votos a fim de que, na lógica da gratuidade e da solidariedade, se possam superar estes momentos, para que seja garantido um trabalho seguro, digno e estável.

Queridos amigos, o trabalho ajuda a pessoa a estar mais próxima de Deus e do próximo. O próprio Jesus foi um trabalhador, aliás, passou uma boa parte da sua vida terrena em Nazaré, na oficina de José. O evangelista Mateus recorda que as pessoas falavam de Jesus como do «filho do carpinteiro» (Mt 13, 55), e em Terni João Paulo II falou sobre o «Evangelho do trabalho», afirmando que foi «escrito sobretudo pelo facto que o Filho de Deus, da mesma substância do Pai, tornando-se homem trabalhou com as próprias mãos. Melhor, o seu trabalho, que foi verdadeiro trabalho físico, ocupou a maior parte da sua vida nesta terra, e entrou assim na obra da redenção do homem e do mundo» (Discurso aos operários, Terni, 19 de Março de 1981). Já isto nos fala da dignidade do trabalho, aliás, da dignidade específica do trabalho humano, que está inserido no próprio mistério da redenção. É importante compreendê-lo nesta perspectiva cristã. Muitas vezes, ao contrário, ele é considerado unicamente como instrumento de lucro, se não mesmo, em várias situações no mundo, como meio de exploração e, por conseguinte, de ofensa contra a própria dignidade da pessoa. Gostaria de mencionar também o problema do trabalho no Domingo. Infelizmente, nas nossas sociedades o ritmo do consumo corre o risco de nos privar também do sentido da festa e do Domingo, como Dia do Senhor e da comunidade.

Prezados trabalhadores e trabalhadoras, caros amigos todos, gostaria de concluir estas minhas breves palavras, recordando-vos que a Igreja sustém, conforta e encoraja todos os esforços para garantir a todos um trabalho seguro, digno e estável. O Papa está próximo de vós, está ao lado das vossas famílias, dos vossos filhos, dos vossos jovens e dos vossos idosos, e traz todos vós no coração diante de Deus. O Senhor abençoe a vós, o vosso trabalho e o vosso futuro. Obrigado!

 



© Copyright - Libreria Editrice Vaticana