Index   Back Top Print


MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
 POR OCASIÃO DO TRIGÉSIMO ANIVERSÁRIO
 DO CENTRO TELEVISIVO VATICANO

 

Ao Rev.mo Mons. Dario Edoardo Viganò
Director do Centro Televisivo do Vaticano

Desejo transmitir a minha cordial saudação a todos os presentes no Congresso, que quer recordar não apenas o trigésimo aniversário do Centro Televisivo do Vaticano mas, sobretudo, meditar sobre as suas perspectivas para um serviço cada vez mais atento e qualificado. Saúdo os relatores e os hóspedes, de modo particular D. Claudio Maria Celli e os membros do Conselho de Administração.

1. Antes de tudo, gostaria de ressaltar que o vosso trabalho é um serviço ao Evangelho e à Igreja. O aniversário do CTV insere-se no contexto de outra celebração importante: o cinquentenário da aprovação do Decreto conciliar Inter mirifica, que inclui entre os dons maravilhosos de Deus os instrumentos da comunicação social, incluindo precisamente o meio televisivo. As palavras dos Padres conciliares parecem-nos proféticas; eles sublinhavam, justamente, como é importante o uso destes meios, de tal modo que, «como sal e luz, fecundem e iluminem o mundo», difundindo a luz de Jesus Cristo e contribuindo para o progresso de toda a humanidade.

Nestas décadas, a tecnologia tem viajado a alta velocidade, criando inesperadas redes interligadas. É necessário preservar a perspectiva evangélica nesta espécie de «auto-estrada global da comunicação», tendo sempre presente a finalidade que quis estabelecer o Beato João Paulo II, ao fundar o CTV: favorecer «uma obra mais eficaz da Igreja, no que diz respeito às comunidades sociais (...) em vista de oferecer novos instrumentos com os quais desempenhar no mundo a missão universal da Igreja» (Rescrito de 22 de Outubro de 1983). Come vos recordou também Bento XVI: «Ao colocar as imagens à disposição das maiores agências televisivas mundiais e das grandes televisões nacionais ou comerciais, favoreceis uma adequada e tempestiva informação sobre a vida e o ensinamento da Igreja no mundo de hoje, ao serviço da dignidade da pessoa humana, da justiça, do diálogo e da paz» (Discurso ao CTV, 18 de Dezembro de 2008). Portanto, não vos esqueçais de que o vosso serviço é eclesial, desempenhado no contexto da missão evangelizadora da Igreja.

2. Por isso — este é o segundo elemento que eu gostaria de frisar — ao apresentar os acontecimentos, a vossa perspectiva nunca pode ser “mundana”, mas eclesial. Nós vivemos num mundo em que praticamente não existe quase nada que não tenha a ver com o universo dos mass media. Instrumentos cada vez mais sofisticados fortalecem o papel sempre mais invasivo desempenhado pelas tecnologias, linguagens e formas de comunicação durante a nossa vida quotidiana, e isto não apenas no mundo juvenil. Como recordei no dia seguinte à minha eleição como Bispo de Roma, precisamente encontrando os representantes dos meios de comunicação social presentes em Roma por ocasião do Conclave, «não tem cessado de crescer o papel dos mass media, a ponto de se tornarem indispensáveis para narrar ao mundo os acontecimentos da história contemporânea». Tudo isto se reflecte também na vida da Igreja. Mas se não é simples descrever os acontecimentos da história, é ainda mais complicado narrar os eventos ligados à Igreja, que constitui «sinal e instrumento da união íntima com Deus», é Corpo de Cristo, Povo de Deus, Templo do Espírito Santo. Isto exige uma responsabilidade particular, uma forte capacidade de interpretar a realidade em chave espiritual. Com efeito, os acontecimentos da Igreja «possuem uma característica fundamental própria: seguem uma lógica que não obedece primariamente a categorias por assim dizer mundanas e, por isso mesmo, não é fácil interpretá-los e comunicá-los a um público amplo e variado» (Discurso aos Representantes dos meios de comunicação social, 18 de Março de 2013). Falar de responsabilidade, de uma visão respeitadora dos acontecimentos que se deseja narrar, significa ter também a consciência de que a selecção, a organização, a transmissão e a partilha dos conteúdos requerem uma atenção especial, porque se recorre a instrumentos que não são neutros, nem transparentes. Hoje esta consciência permeia o CTV, comprometido numa nova organização em conformidade com paradigmas tecnológicos capazes de servir melhor todas as latitudes do mundo, contribuindo para favorecer o alcance da catolicidade da Igreja. Gostaria de lhe agradecer de coração, Mons. Dario Edoardo Viganò, bem como a todos os empregados do CTV, a capacidade de tecer relações com diferentes realidades do mundo inteiro, para construir pontes, superar muros e fossos, e fazer refulgir a luz do Evangelho. Tudo isto, segundo as indicações do decreto Inter mirifica, que esclarece como também no mundo dos meios de comunicação a eficácia da obra apostólica exige «união de intenções e forças» (n. 21). Convergir e não concorrer: esta é a estratégia das iniciativas dos meios de comunicação no mundo católico.

3. Finalmente, gostaria de recordar que vós não desempenhais uma função puramente documental, «neutral» dos acontecimentos, mas contribuís para aproximar a Igreja do mundo, anulando as distâncias, fazendo com que a palavra do Papa chegue a milhões de católicos, inclusive lá onde, com frequência, professar a própria fé constitui uma escolha corajosa. Graças às imagens, o CTV está a caminho com o Papa para levar Cristo às numerosas formas de solidão do homem contemporâneo, alcançando até as «sofisticadas periferias tecnológicas». Nesta vossa missão, é importante recordar que a Igreja está presente no mundo das comunicações, em todas as suas expressões mais diversificadas, principalmente para levar as pessoas ao encontro com o Senhor Jesus. Com efeito, somente o encontro com Jesus pode transformar o coração e a história do homem. Agradeço-vos e encorajo-vos a continuar com determinação no vosso testemunho do Evangelho, dialogando com um mundo que tem necessidade de ser ouvido e compreendido, mas também de receber a mensagem da vida verdadeira.

Oremos ao Senhor, a fim de que nos torne capazes de chegar ao coração do homem, para além das barreiras da desconfiança, e supliquemos a Nossa Senhora a fim de que vele sobre os nossos passos de «peregrinos da comunicação». Peço-vos que rezeis por mim, pois preciso das vossas orações! Invoco a intercessão de Santa Clara, Padroeira da televisão, enquanto vos acompanho com a minha Bênção!

Vaticano, 18 de Outubro de 2013.

 

FRANCISCO

 




© Copyright - Libreria Editrice Vaticana