Index   Back Top Print

[ DE  - ES  - IT  - PT ]

MENSAGEM VÍDEO DO PAPA FRANCISCO
PARA A VIGÍLIA MARIANA INTERNACIONAL DOS JOVENS
 NO SANTUÁRIO DE SÃO GABRIEL
DE NOSSA SENHORA DAS DORES EM TERAMO

 

Prezados amigos!

Estou feliz por participar na Vigília mariana internacional dos jovens, em preparação para a próxima Assembleia do Sínodo dos Bispos, organizada no novo Santuário de São Gabriel de Nossa Senhora das Dores. É verdade que estou fisicamente distante de vós, mas graças às modernas tecnologias da comunicação, temos a possibilidade de encurtar as distâncias. Na realidade, nós cristãos sabemos desde sempre que a única fé e a oração concorde unem os crentes no mundo inteiro: pode-se dizer que, até sem o saber, fomos os precursores da revolução digital!

Saúdo o vosso Pastor, D. Lorenzo Leuzzi, que desde o início do seu ministério no meio de vós vos levou a participar no caminho sinodal, e o Cardeal Lorenzo Baldisseri, Secretário-Geral do Sínodo, que celebra a Santa Missa para vós.

Agora gostaria de vos confiar alguns pensamentos que me estão particularmente a peito.

O primeiro pensamento é para Maria. É bom que os jovens recitem o Rosário, manifestando assim o seu carinho pela Virgem. De resto, hoje a sua mensagem é atual como nunca. E isto porque Ela é uma jovem entre os jovens, uma «mulher dos nossos dias», como padre Tonino Bello gostava de dizer.

Era jovem — talvez ainda adolescente — quando o Anjo lhe dirigiu a palavra, alterando os seus pequenos projetos para a tornar parte do grande desígnio de Deus em Jesus Cristo. Permaneceu jovem também depois quando, não obstante o passar dos anos, se fez discípula do Filho, com o entusiasmo dos jovens, seguindo-o até à Cruz com a coragem que somente os jovens possuem. Permanece jovem para sempre, até agora que a contemplamos na sua Assunção ao Céu, porque a santidade nos preserva eternamente jovens, é o verdadeiro «elixir da juventude» do qual temos tanta necessidade. Foi a juventude renovada que nos trouxe a Ressurreição do Senhor.

Quem o entendeu bem foi São Gabriel de Nossa Senhora das Dores, Padroeiro dos estudantes, um santo jovem apaixonado por Maria. Tendo perdido a sua mãe quando era criança, sabia que no Céu tinha duas mães que velavam sobre ele. É assim que se compreende o seu grande amor pela recitação do Rosário e a sua terna devoção à Virgem, que ele quis associar para sempre ao próprio nome quando, com apenas dezoito anos, se consagrou a Deus na Família religiosa dos Passionistas, tornando-se Gabriel de Nossa Senhora das Dores.

Como reiterei recentemente na Exortação Apostólica Gaudete et exsultate, «a santidade é o rosto mais bonito da Igreja» (n. 9) e transforma-a numa comunidade «simpática» (cf. n. 93). Se Santo Ambrósio dizia que estava convicto de que «todas as idades são maduras para a santidade» (De virginitate, 40), sem dúvida também o é a idade juvenil. Portanto, não tenhais medo de ser Santos, olhando para Maria, São Gabriel e todos os Santos que vos precederam e vos indicam o caminho!

O primeiro pensamento é para Maria. O segundo pensamento é para os jovens unidos a nós de várias partes do mundo para participar nesta Vigília. Saúdo afetuosamente os jovens do Panamá, reunidos no Santuário internacional do “Corazón de Maria” com o Bispo D. Domingo Ulloa Mendieta, com os quais me encontrarei no próximo ano, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude; os jovens da Federação Russa, congregados na Catedral da Transfiguração, em Novosibirsk, com o seu Bispo D. Joseph Werth e o Delegado para os jovens de toda a Rússia, Mons. Clemens Pickel; os jovens da Irlanda, em ligação da Glencomeragh House, Casa de oração e formação para os jovens, juntamente com o Bispo D. Alphonsus Cullinan; e finalmente os jovens de Taiwan, reunidos em Taiwan, na igreja dedicada a “Our Lady of Assumption”. Precisamente nestes dias, os Bispos de Taiwan estão em Roma para a Visita «ad limina». Ficarão felizes de saber que os seus jovens rezam e que hoje também eles estão com o Sucessor de Pedro!

Estimados jovens, unidos em oração de lugares tão distantes, vós sois uma profecia de paz e de reconciliação para a comunidade inteira. Nunca me cansarei de o repetir: não levanteis muros, construí pontes! Não levanteis muros, construí pontes! Uni as margens dos oceanos que vos separam, com o entusiasmo, a determinação e o amor dos quais sois capazes. Ensinai aos adultos, cujo coração muitas vezes se endureceu, a escolher o caminho do diálogo e da concórdia, para deixar aos seus filhos e aos seus netos um mundo mais bonito e mais digno do homem.

O terceiro e último pensamento é para o Sínodo, já próximo. Sabeis que a próxima Assembleia do Sínodo dos Bispos será dedicada a «Os jovens, a fé e o discernimento vocacional», e que desde há tempos a Igreja inteira está intensamente comprometida no caminho sinodal.

Encontrando-me com muitos jovens como vós, por ocasião da Reunião pré-sinodal de março passado, alertei para o perigo de falar dos jovens sem permitir que eles falem, deixando-os à «distância de segurança». Os jovens não mordem, podem aproximar-se e têm entusiasmo; e além do entusiasmo vós tendes a chave do futuro.

Caros jovens, quando voltardes para as vossas famílias e paróquias — em Teramo, Panamá, Rússia, Irlanda e Taiwan — não deixeis que vos silenciem. Sem dúvida, quem fala pode errar, e também os jovens às vezes erram, são humanos, cometem pecados de imprudência, por exemplo. Mas não tenhais medo de errar e de aprender dos vossos erros; é assim que se vai em frente. Se alguém — inclusive os vossos pais, os vossos sacerdotes e os vossos professores — procurar fechar a vossa boca, recordai-lhes que a Igreja e o mundo têm necessidade também dos jovens para se rejuvenescerem a si mesmos. E não vos esqueçais de ter ao vosso lado aliados invencíveis: Cristo, eternamente jovem; Maria, mulher jovem; São Gabriel e todos os Santos, que constituem o segredo da juventude perene da Igreja.

Obrigado!

 



© Copyright - Libreria Editrice Vaticana