Index   Back Top Print


DISCURSO DO PAPA FRANCISCO
AOS PEREGRINOS DA DIOCESE DE BRÉSCIA
NO 50º ANIVERSÁRIO DA ELEIÇÃO DO PAPA PAULO VI

Basílica Vaticana
Sábado
22 de Junho de 2013

 

Caros irmãos e irmãs da Diocese de Bréscia, bom dia!

Agradeço-vos porque me ofereceis a possibilidade de compartilhar convosco a recordação do Venerável Servo de Deus Paulo VI. Saúdo todos vós com afecto, a começar pelo vosso Bispo, D. Luciano Monari, a quem agradeço as amáveis palavras que pronunciou. Saúdo os sacerdotes, as religiosas, os religiosos e os fiéis leigos. Esta é a vossa peregrinação durante o Ano da fé, e foi bom que quisestes realizá-la no 50º aniversário da eleição do vosso grande conterrâneo, Paulo VI.

Seriam muitas as coisas que gostaria de dizer e recordar a respeito deste grande Pontífice. Pensando nele, limitar-me-ei a três aspectos fundamentais, que ele nos testemunhou e ensinou, deixando que os mesmos sejam explicados mediante as suas próprias palavras apaixonadas: o amor a Cristo, o amor à Igreja e o amor ao homem. Estas três palavras são atitudes fundamentais, mas também cheias de paixão de Paulo VI.

Paulo VI soube testemunhar, numa época difícil, a fé em Jesus Cristo. Ainda ressoa, mais viva do que nunca, a sua invocação: «Vós sois necessário para nós, ó Cristo!». Sim, Jesus é mais necessário do que nunca para o homem contemporâneo, para o mundo de hoje, porque nos «desertos» da cidade secular Ele nos fala de Deus, revelando-nos o seu rosto. O amor total a Cristo sobressai na vida inteira de Montini, e também na escolha do nome de Papa, por ele motivada com estas palavras: é o Apóstolo «que amou Cristo de modo supremo, que ao máximo grau desejou e se esforçou por levar o Evangelho de Cristo a todos os povos, e que por amor a Cristo ofereceu a sua própria vida» (Homilia [30 de Junho de 1963]: AAS 55 [1963], 619). E indicava esta mesma totalidade ao Concílio, durante o Discurso de abertura da segunda sessão em São Paulo fora dos muros, indicando o grandioso mosaico da Basílica onde o Papa Honório III está representado em proporções minúsculas aos pés da enorme figura de Cristo. Assim acontecia com a própria Assembleia do Concílio: aos pés de Cristo, para ser servos seus e do seu Evangelho (cf. Discurso [29 de Setembro de 1963]: AAS 55 [1963], 846-847).

Um amor profundo a Cristo não para o possuir, mas para o anunciar. Evoquemos as suas palavras apaixonadas em Manila: «Cristo! Sim, sinto a necessidade de o anunciar, não o posso silenciar! ... Ele é o Revelador de Deus invisível, é o primogénito de toda a criatura, constitui o fundamento de todas as coisas; Ele é o Mestre da humanidade, é o Redentor... Ele representa o centro da história e do mundo; é Aquele que nos conhece e que nos ama; é o Companheiro e o Amigo da nossa vida; é o Homem do sofrimento e da esperança; é Aquele que há-de vir, e que um dia será o nosso Juiz e, assim esperamos, a plenitude eterna da nossa existência, a nossa felicidade» (Homilia [27 de Novembro de 1970]: AAS 63 [1971], 32). Estas palavras apaixonadas são expressões grandiosas. Quanto a mim, confio-vos algo: este discurso pronunciado em Manila, mas também aquele proferido em Nazaré, constituíram para mim uma força espiritual, fizeram muito bem à minha vida. E volto a este discurso, volto e retorno de novo, porque me faz bem ouvir estas palavras de Paulo Paulo VI hoje. E nós, temos este mesmo amor a Cristo? É Ele o centro da nossa vida? Damos testemunho dele nos gestos de cada dia?

O segundo ponto: o amor à Igreja, um amor apaixonado, o amor da vida inteira, jubiloso e sofrido, expresso desde a sua primeira Encíclica, Ecclesiam suam. Paulo VI viveu plenamente a dificuldade da Igreja depois do Concílio Vaticano II, as luzes, as esperanças e as tensões. Amou a Igreja e despendeu-se por ela de modo incondicional. No seu Pensamento sobre a morte ele escrevia: «Gostaria de a abraçar, saudar e amar em cada ser que a compõe, em cada Bispo e Sacerdote que a assiste e guia, em cada alma que a vive e ilustra». E no Testamento, dirigia-se a ela com as seguintes palavras: «Recebe com a minha saudação de bênção o meu supremo gesto de amor!» (Insegnamenti XVI [1978], 592). Este é o coração de um Pastor verdadeiro, de um cristão autêntico, de um homem capaz de amar! Paulo VI tinha uma visão muito clara de que a Igreja é uma Mãe que traz Cristo e leva a Cristo. Na Exortação apostólica Evangelii nuntiandi — para mim, o maior documento pastoral jamais escrito até hoje — formulava esta pergunta: «Após o Concílio e graças ao Concílio, que foi para ela uma hora de Deus neste período da história, encontrar-se-á a Igreja mais apta para anunciar o Evangelho e para o inserir no coração dos homens, com convicção, liberdade de espírito e eficácia?» (8 de Dezembro de 1975, n. 4: AAS 68 [1976], 7). E continuava: «Acha-se ela [a Igreja] radicada no meio do mundo e, não obstante, livre e independente para interpelar o mesmo mundo? Testemunha ela solidariedade para com os homens e, ao mesmo tempo, o absoluto de Deus? É ela hoje mais fervorosa quanto à contemplação e à adoração, e mais zelosa quanto à obra missionária, caritativa e libertadora? Acha-se ela cada vez mais aplicada nos esforços por procurar a recomposição da unidade plena entre os cristãos, que torna mais eficaz o testemunho comum, “a fim de que o mundo creia”?» (Ibid., n. 76: AAS 68 [1976], 67). Trata-se de interrogações dirigidas também à nossa Igreja contemporânea, a todos nós, pois todos nós somos responsáveis pelas respostas e deveríamos questionar-nos: somos verdadeiramente uma Igreja unida a Cristo, para sair e para o anunciar a todos, inclusive e sobretudo àquelas que eu defino como as «periferias existenciais», ou vivemos fechados em nós mesmos, nos nossos grupos e nas nossas pequenas igrejas? Ou amamos a Igreja grande, a Igreja-mãe, a Igreja que nos envia em missão e que nos faz sair de nós mesmos?

E o terceiro elemento: o amor ao homem. Também este está ligado a Cristo: é a própria paixão de Deus que nos impele a encontrar o homem, a respeitá-lo, a reconhecê-lo e a servi-lo. Na última sessão do Concílio Vaticano II, Paulo VI pronunciou um discurso que impressiona cada vez que o lemos. Em particular, onde fala da atenção do Concílio ao homem contemporâneo. E disse assim: «O humanismo laico e profano apareceu, finalmente, em toda a sua terrível estatura, e por assim dizer desafiou o Concílio para a luta. A religião, que é o culto de Deus que quis ser homem, e a religião — porque o é — que é o culto do homem que quer ser Deus, encontraram-se. Que aconteceu? Combate, luta, anátema? Tudo isto poderia ter-se dado, mas com efeito não se deu. Aquela antiga história do bom samaritano foi exemplo e norma segundo os quais se orientou o nosso Concílio. Com efeito, um imenso amor para com os homens penetrou totalmente o Concílio. A descoberta e a consideração renovada das necessidades humanas... Vós, humanistas do nosso tempo, que negais as verdades transcendentes, dai ao Concílio pelo menos este louvor e reconhecei este nosso humanismo novo: também nós — e nós mais do que ninguém — somos cultores do homem» (Homilia [7 de Dezembro de 1965]: AAS 58 [1966, 55-56). E com um olhar de conjunto ao trabalho realizado pelo Concílio, observava: «Toda esta riqueza doutrinal visa apenas isto: servir o homem, em todas as circunstâncias da sua vida, em todas as suas fraquezas, em todas as suas necessidades. A Igreja declarou-se quase a serva da humanidade» (Ibid., n. 57). E isto ilumina-nos ainda hoje, neste mundo onde se nega o homem, onde se prefere trilhar o caminho do gnosticismo, a vereda do pelagianismo, ou da «ausência da carne» — um Deus que não se fez carne — ou ainda da «ausência de Deus» — o homem prometeico que pode ir em frente. Neste tempo, nós podemos repetir aquilo que o próprio Paulo VI disse: a Igreja é a serva do homem, a Igreja crê em Cristo que veio na carne e por isso serve o homem, ama o homem, acredita no homem. Esta é a inspiração do grande Paulo VI.

Prezados amigos, encontrarmo-nos em nome do Venerável Servo de Deus Paulo VI faz-nos bem! O seu testemunho alimenta em nós a chama do amor a Cristo, do amor à Igreja, do ímpeto de anunciar o Evangelho ao homem de hoje, com misericórdia, paciência, coragem e alegria. Por isso, agradeço-vos mais uma vez. Confio-vos todos à Virgem Maria, Mãe da Igreja, enquanto vos abençoo todos de coração, juntamente com os vossos entes queridos, de maneira particular as crianças e os enfermos.

 



© Copyright - Libreria Editrice Vaticana

<