Index   Back Top Print

[ DE  - EN  - ES  - FR  - IT  - PT ]

.

CARTA DO PAPA FRANCISCO
AO PREPÓSITO-GERAL DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS
 POR OCASIÃO DOS 500 ANOS DO NASCIMENTO
DE SANTA TERESA DE JESUS

[Multimídia]


 

Ao Venerado irmão Padre Saverio Cannistrà
Prepósito-Geral da Ordem dos Carmelitas Descalços

Querido Irmão!

Na celebração dos quinhentos anos do nascimento de santa Teresa de Jesus, desejo unir-me, juntamente com toda a Igreja, à acção de graças da grande família Carmelita descalça — religiosas, religiosos e seculares — pelo carisma desta mulher excepcional.

Considero uma graça providencial que este aniversário coincida com o Ano dedicado à Vida Consagrada, na qual a Santa de Ávila resplandece como guia segura e modelo atraente de doação total a Deus. Trata-se de um motivo a mais para ver o passado com gratidão, e para redescobrir «a centelha inspiradora» que deu impulso aos fundadores e às primeiras comunidades (cf. Carta aos consagrados, 21 de Novembro de 2014).

Quanto bem continuam a fazer a todos nós o testemunho da sua consagração, nascido directamente do encontro com Cristo, da sua experiência de oração, como diálogo contínuo com Deus e da sua vida comunitária, enraizada na maternidade da Igreja!

Santa Teresa é sobretudo mestra de oração. Na sua experiência a descoberta da humanidade de Cristo foi central. Movida pelo desejo de partilhar essa experiência pessoal com os outros, descreveu-a de maneira vivaz e singela, ao alcance de todos, porque consistia simplesmente numa «relação de amizade... com quem sabemos que nos ama» (cf. Vida 8, 5). Muitas vezes a própria narração transforma-se em oração, como se quisesse introduzir o leitor no seu diálogo interior com Cristo. A oração de Teresa não era reservada unicamente a um espaço ou momento do dia; surgia espontânea nas ocasiões mais diversas: «Seria uma situação árdua se se pudesse orar só em lugares apartados» (cf. Fundações 5, 16). Estava convicta do valor da oração contínua, mesmo se nem sempre perfeita. A Santa exorta-nos a ser perseverantes e fiéis mesmo no meio da aridez, de dificuldades pessoais ou necessidades urgentes que nos chamam.

Para que se renove a vida consagrada hoje, Teresa deixou-nos um grande tesouro, cheio de propostas concretas, caminhos e métodos para rezar que, longe de nos fechar em nós mesmos ou de nos levar só a um equilíbrio interior, nos fazem recomeçar sempre a partir de Jesus e constituem uma autêntica escola para crescer no amor a Deus e ao próximo.

A partir do seu encontro com Jesus, santa Teresa viveu «outra vida». Transformou-se numa comunicadora incansável do Evangelho (cf. Vida 23, 1). Desejosa de servir a Igreja e diante dos graves problemas do seu tempo, não se limitou a ser uma expectadora da realidade que a circundava. Na sua condição de mulher e com as dificuldades de saúde, decidiu — disse ela — «fazer o pouco que depende de mim... isto é, seguir os conselhos evangélicos com toda a perfeição possível e procurar que as poucas religiosas que estão aqui façam o mesmo» (cf. Caminho 1, 2). Assim teve início a reforma teresiana, na qual pedia às suas irmãs que não perdessem tempo negociando com Deus «interesses de pouca importância» enquanto «o mundo está em chamas» (ibid., 1, 5). Esta dimensão missionária e eclesial caracterizou desde sempre as Carmelitas e os Carmelitas descalços.

Como fez outrora, também hoje a Santa nos abre novos horizontes, nos convoca para um grande empreendimento e a ver o mundo com os olhos de Cristo, procurar o que Ele procura e amar o que Ele ama.

Santa Teresa sabia que a oração e a missão não podem ser sustentadas sem uma autêntica vida comunitária. Por conseguinte, o fundamento que pôs nos seus mosteiros foi a fraternidade: «Aqui todas devem amar-se, respeitar-se e ajudar-se reciprocamente» (ibid., 4, 7). Preocupou-se em advertir as suas religiosas acerca do perigo da auto-referencialidade na vida fraterna, que consiste «toda ou quase toda em renunciar a nós mesmos e às nossas comodidades» (ibid., 12, 2) e a pôr o que somos ao serviço dos outros. Para evitar tal risco, a Santa de Ávila aconselhou as suas irmãs, antes de tudo, a virtude da humildade, que não é descuido exterior nem timidez interior da alma, mas que cada um conheça as próprias possibilidades e o que Deus pode fazer em nós (cf. Relações, 28). O contrário é o que ela chamou «falso ponto de honra» (cf. Vida 31, 23), fonte de mexericos, ciúmes e críticas, que prejudicam seriamente a relação com os outros. A humildade teresiana é feita de aceitação de si mesmo, de consciência da própria dignidade, de audácia missionária, de reconhecimento e de abnegação em Deus.

Com estas nobres raízes, as comunidades teresianas são chamadas a tornar-se casas de comunhão, capazes de testemunhar o amor fraterno e a maternidade da Igreja, apresentando ao Senhor as necessidades do mundo, dilacerado por divisões e guerras.

Querido Irmão, não quero terminar sem agradecer às comunidades carmelitas teresianas que confiam o Papa com especial ternura à protecção da Virgem do Carmelo, e acompanham com a sua oração as grandes provações e desafios da Igreja. Peço ao Senhor que o vosso testemunho de vida, como o de santa Teresa, deixe transparecer a alegria e a beleza de viver do Evangelho e atraia muitos jovens para seguir Cristo de perto.

A toda a família teresiana concedo de coração a minha Bênção Apostólica.

Vaticano, 28 de Março de 2015.

Francisco

 



© Copyright - Libreria Editrice Vaticana