Index   Back Top Print


DISCURSO DO PAPA FRANCISCO
AOS PARTICIPANTES NO CONGRESSO
DA SOCIEDADE DE CIRURGIA ONCOLÓGICA
PROMOVIDO PELA UNIVERSIDADE "LA SAPIENZA" DE ROMA

Sala Clementina
Sábado, 12 de Abril de 2014

 

Amados irmãos e irmãs!

Dou boas-vindas a todos vós que participais no Congresso da Sociedade italiana de cirurgia oncológica, promovido pela Universidade La Sapienza de Roma e pelo hospital Santo André. Ao receber-vos, penso em todos os homens e mulheres que curais, e rezo por eles.

A pesquisa científica multiplicou as possibilidades de prevenção e cura, descobriu terapias para o tratamento das mais diversas patologias. Também vós trabalhais para isto: um compromisso de alto valor, para responder às expectativas e esperanças de muitos doentes em todo o mundo.

Mas para que se possa falar de saúde plena é necessário não perder de vista que a pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, está unida no corpo e no espírito. Os gregos eram mais precisos: corpo, alma e espírito. É aquela unidade. Estes dois elementos podem distinguir-se mas não se podem separar, porque a pessoa é uma só. Portanto também a doença, a experiência da dor e do sofrimento, não dizem respeito só à dimensão corpórea, mas ao homem na sua totalidade. Daqui a exigência de uma cura integral, que considere a pessoa no seu conjunto e una à cura médica — à cura «técnica» — também o apoio humano, psicológico e social, porque o médico deve curar tudo: o corpo humano, com a sua dimensão psicológica, social e também espiritual; o acompanhamento espiritual e o apoio aos familiares do doente. Por isso é indispensável que os agentes no campo da saúde «sejam guiados por uma visão integralmente humana da doença e saibam concretizar uma abordagem completamente humana do doente que sofre» (João Paulo II, Motu Proprio Dolentium hominum, 11 de Fevereiro de 1985).

A partilha fraterna com os doentes abre-nos à verdadeira beleza da vida humana, que inclui também a sua fragilidade, de modo que possamos reconhecer a dignidade e o valor de cada ser humano, seja qual for a condição na qual se encontre, desde a concepção até à morte.

Queridos amigos, começa amanhã a Semana Santa, que tem o seu ápice no Tríduo da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus. Aqui o sofrimento huma

no é assumido até ao fim e remido por Deus. Por Deus-Amor. Só Cristo dá sentido ao escândalo da dor inocente. Muitas vezes vem ao coração aquela pergunta angustiada de Dostoievski: por que sofrem as crianças? Só Cristo pode dar sentido a este «escândalo». Também vós, no cumprimento do vosso trabalho diário, podeis olhar sempre para Ele, crucificado e ressuscitado. E aos pés da Cruz de Jesus nós encontramos também a Mãe das Dores. Ela é Mãe da humanidade inteira, e está sempre presente junto dos seus filhos doentes e enfermos. Se a nossa fé vacila, a sua não. Maria ampare também vós e o vosso compromisso de pesquisa e de acção no trabalho. E rezo, peço ao Senhor, que abençoe todos vós. Obrigado.

 


© Copyright - Libreria Editrice Vaticana