Index   Back Top Print

[ ES  - IT  - PT ]

PAPA JOÃO PAULO II

AUDIÊNCIA GERAL

Quarta-feira, 8 de Abril de 1981

 

Pedagogia do corpo, ordem moral e manifestações afectivas

1. Convém-nos agora concluir as reflexões e as análises baseadas nas palavras ditas por Cristo no Sermão da Montanha, com que se referiu ao coração humano, exortando-o à pureza: "Ouvistes que foi dito: Não cometerás adultério. Eu porém digo-vos que todo aquele que olhar para uma mulher, desejando-a, já cometeu adultério com ela no seu coração" (Mt 5, 27-28). Dissemos repetidamente que estas palavras, escutadas uma vez pelos ouvintes, em número limitado, daquele Sermão, se referem ao homem de todos os tempos e lugares, e fazem apelo ao coração humano, em que se inscreve a mais interior e, em certo sentido, a mais essencial trama da história. É a história do bem e do mal (cujo início está ligado, no Livro do Génesis, com a misteriosa árvore do conhecimento do bem e do mal) e, ao mesmo tempo, é a história da salvação, cuja palavra é o Evangelho e cuja força é o Espírito Santo, dado Aqueles que recebem o Evangelho com o coração sincero.

2. Se o apelo de Cristo ao "coração" humano e, ainda antes, a sua referência ao "princípio" nos consentem construir ou pelo menos esboçar uma antropologia, que podemos chamar "teologia do corpo", tal teologia é, ao mesmo tempo, pedagogia. A pedagogia tende a educar o homem, pondo diante dele as exigências, motivando-as, e indicando os caminhos que levam às realizações delas. Os enunciados de Cristo têm também este fim: são enunciados "pedagógicos". Contêm uma pedagogia do corpo, expressa de modo conciso e, ao mesmo tempo, o mais possível completo. Quer a resposta dada aos Fariseus quanto à indissolubilidade do matrimónio, quer a palavras do Sermão da Montanha a respeito do domínio da concupiscência, demonstram — pelo menos indirectamente — ter o Criador assinalado como característica do homem o corpo, a sua masculinidade e feminilidade; e que na masculinidade e feminilidade lhe assinalou em certo sentido como característica a sua humanidade, a dignidade da pessoa, e também o sinal transparente da "comunhão" interpessoal, em que o homem mesmo se realiza através do autêntico dom de si. Pondo diante do homem as inteligências conformes às características a ele confiadas, o Criador indica simultaneamente ao homem, varão e mulher, os caminhos que levam a assumi-las e a realizá-las.

3. Analisando estes textos-chaves da Bíblia, até à raiz mesma dos significados que encerram, descobrimos precisamente aquela antropologia que pode ser denominada "teologia do corpo". E é esta teologia do corpo que funda depois o mais apropriado método da pedagogia do corpo, isto é, da educação (melhor, da auto-educação) do homem. O que adquire particular actualidade para o homem contemporâneo, cuja ciência no campo da biofisiologia e da biomedicina muito progrediu. Todavia, esta ciência trata o homem sob determinado "aspecto" e portanto é mais parcial que global. Conhecemos bem as funções do corpo como organismo, as funções ligadas com a masculinidade e a feminilidade da pessoa humana. Mas tal ciência, de per si, não desenvolve ainda a consciência do corpo como sinal da pessoa, como manifestação de espírito. Todo o desenvolvimento da ciência contemporânea, relativo ao corpo como organismo, tem sobretudo o carácter do conhecimento biológico, porque é baseado na separação, no interior do homem, entre aquilo que é nele corpóreo e aquilo que é espiritual. Quem se serve de um conhecimento tão unilateral das funções do corpo como organismo, não é difícil que chegue a tratar o corpo, de modo mais ou menos sistemático, como objecto de manipulações; em tal caso o homem cessa, por assim dizer, de identificar-se subjectivamente com o próprio corpo, porque privado do significado e da dignidade derivantes de este corpo ser próprio da pessoa. Encontramo-nos aqui no limite de problemas, que muitas vezes exigem soluções fundamentais, impossíveis sem uma visão integral do homem.

4. Precisamente aqui vê-se claro que a teologia do corpo, como a deduzimos desses textos-chaves das palavras de Cristo, se torna o método fundamental da pedagogia, ou seja, da educação do homem do ponto de vista do corpo, na plena consideração da sua masculinidade e feminilidade. Aquela pedagogia pode ser entendida sob o aspecto de uma própria "espiritualidade do corpo"; o corpo, de facto, na sua masculinidade ou feminilidade, é dado como encargo ao espírito humano (o que de maneira estupenda foi expresso por São Paulo na linguagem que lhe é própria) e por meio de uma adequada maturidade do espírito torna-se, também ele, sinal da pessoa, de que a pessoa está consciente, e autêntica "matéria" na comunhão das pessoas. Por outras palavras: o homem, através da sua maturidade espiritual, descobre o significado esponsal, próprio do corpo. As palavras de Cristo no Sermão da Montanha indicam que a concupiscência, de per si, não desvela ao homem aquele significado, antes pelo contrário, o ofusca e obscurece. O conhecimento puramente "biológico" das funções do corpo como organismo, relacionadas com a masculinidade e feminilidade da pessoa humana, só é capaz de ajudar a descobrir o autêntico significado esponsal do corpo se caminha a par e passo com uma adequada maturidade espiritual da pessoa humana. Sem isto, tal conhecimento pode ter efeitos absolutamente opostos; isto é confirmado por múltiplas experiências do nosso tempo.

5. Deste ponto de vista, é necessário considerar com perspicácia as enunciações da Igreja contemporânea. Uma adequada compreensão e interpretação delas, como também a sua aplicação prática (isto é, precisamente, a pedagogia), requer aquela aprofundada teologia do corpo que, afinal, deduzimos sobretudo das palavras-chaves de Cristo. Quanto às enunciações contemporâneas da Igreja, é necessário tomar conhecimento do capítulo intitulado "Dignidade do Matrimónio e da Família e sua valorização", da Constituição pastoral do Concílio Vaticano II (Gaudium et Spes, parte II, c. I) e, em seguida da Encíclica Humanae vitae de Paulo VI. Sem qualquer dúvida, as palavras de Cristo, a cuja análise dedicámos muito espaço, tinham como fim, apenas, a valorização da dignidade do matrimónio e da família; daí a fundamental convergência entre elas e o conteúdo de ambas as enunciações mencionadas, da Igreja contemporânea. Cristo falava ao homem de todos os tempos e lugares; as enunciações da Igreja tendem a actualizar as palavras de Cristo, e por isso devem ser relidas segundo os princípios daquela teologia e daquela pedagogia que nas palavras de Cristo encontram raiz e apoio.

É difícil realizar aqui uma análise global das citadas enunciações do magistério supremo da Igreja. Limitar-nos-emos a referir algumas passagens. Eis de que modo o Vaticano II — pondo entre os mais urgentes problemas da Igreja no mundo contemporâneo "a valorização da dignidade do matrimónio e da família" caracteriza a situação existente neste campo: A dignidade desta instituição (isto é, do matrimónio e da família) não resplandece em toda a parte com igual brilho. Encontra-se obscurecida pela poligamia, pela epidemia do divórcio, pelo chamado amor livre e por outras deformações. Além disso, o amor conjugal é muitas vezes profanado pelo egoísmo, pelo amor do prazer e pelas práticas ilícitas contra a geração" (Gaudium et Spes, 47). Paulo VI, expondo na Encíclica Humanae vitae este último problema, escreve entre outras coisas: "Pode-se ainda temer que o homem, habituando-se ao uso das práticas anticoncepcionais, acabe por perder o respeito da mulher e (...) chegue a considerá-la como simples instrumento de gozo egoísta e não já como sua companheira respeitada e amada" (Humanae vitae, 17).

Não nos encontramos porventura aqui na órbita da mesma solicitude, que uma vez ditara as palavras de Cristo sobre a unidade e a indissolubilidade do matrimónio, como também as do Sermão da Montanha, relativas à pureza do coração e ao domínio da concupiscência da carne, palavras desenvolvidas mais tarde com tanta perspicácia pelo Apóstolo Paulo?

6. No mesmo espírito, o Autor da Encíclica Humanae vitae, falando das exigências próprias da moral cristã, apresenta, ao mesmo tempo, a possibilidade de cumpri-las, quando escreve: "O domínio do instinto, mediante a razão e a vontade livre, impõe indubitavelmente uma ascese — Paulo VI usa este termo — para que as manifestações afectivas da vida conjugal sejam segundo a recta ordem e em particular para que se observe a continência periódica. Mas esta disciplina, própria da pureza dos esposos, bem longe de prejudicar o amor conjugal, confere-lhe, pelo contrário, mais alto valor humano. Exige contínuo esforço (precisamente esse esforço foi chamado acima "ascese"), mas graças ao seu benéfico influxo os cônjuges desenvolvem integralmente a sua personalidade enriquecendo-se de valores espirituais. Ela... favorece a atenção para com o outro cônjuge, ajuda os esposos a banir o egoísmo, inimigo do verdadeiro amor, e aprofunda o seu sentido de responsabilidade..." (Humanae vitae, 21).

7. Contentemo-nos com estas poucas passagens. Elas — particularmente a última — demonstram de maneira clara quanto é indispensável, para uma adequada compreensão do magistério da Igreja contemporânea, aquela teologia do corpo, cuja base procurámos sobretudo nas palavras do próprio Cristo. É exactamente esta — como já dissemos — que se torna o método fundamental de toda a pedagogia cristã do corpo. Fazendo referência às palavras citadas, pode-se afirmar que o fim da pedagogia do corpo está precisamente em fazer que "as manifestações afectivas" — sobretudo as "próprias da vida conjugal" — sejam conformes à ordem moral, numa palavra, à dignidade das pessoas. Nestas palavras volta o problema da recíproca relação entre o "ecos" e o "ethos", de que já tratámos. A teologia, entendida como método da pedagogia do corpo, prepara-nos também para as novas reflexões sobre a sacramentalidade da vida humana e, em particular, da vida matrimonial.

O Evangelho da pureza do coração, ontem e hoje: concluindo nós com esta frase o presente ciclo das nossas considerações — antes de passar ao ciclo sucessivo, em que a base das análises serão as palavras de Cristo sobre a ressurreição do corpo —, desejamos ainda dedicar um pouco de atenção à "necessidade de criar clima favorável para a educação da castidade", de que trata a Encíclica de Paulo VI (cf. Humanae vitae, 22), e queremos centrar estas observações sobre o problema do "ethos" do corpo nas obras da cultura artística, com particular referência às situações que encontramos na vida contemporânea.

 


Saudações

A uma peregrinação de Estrasburgo (França)

É com particular satisfação que saúdo, entre os vários grupos dignos de mérito, o dos peregrinos de Estrasburgo: pais, professores e alunos vieram juntos, meditando as exigências da misericórdia, para venerar os túmulos dos Apóstolos Pedro e Paulo, os quais, um e outro, experimentaram a alegria do perdão de Cristo. Desejo que encontrem nesta caminhada comum, vivida na fé, os meios exemplares de compreensão entre jovens e adultos conforme ao espírito evangélico da misericórdia. Oxalá possam partir mais fortes para levar um espírito novo às relações no liceu, no colégio, ou às suas famílias!

Abençoo-os de todo o coração.

A um grupo de personalidades de Viena (Áustria)

Dirijo especial saudação de boas-vindas aos delegados e aos conselheiros da Câmara Municipal de Viena aqui presentes. Como distintos representantes dos vossos concidadãos, sacrificais boa parte do vosso tempo e das vossas energias em favor do bem comum. Esforçais-vos por encontrar as melhores soluções possíveis para cada um dos complexos problemas que a vida comunitária, hoje, apresenta. Desejaria, por isso que as vossas impressões na cidade eterna, com a sua mensagem desde a força viva do Evangelho, vos proporcionassem luz e orientação. Concedo-vos com prazer a especial bênção de Deus assim como para o vosso trabalho.

A um grupo de estudantes da diocese de Münster (Alemanha)

Saúdo também cordialmente a numerosa peregrinação da diocese de Münster, assim como o "Grupo de Peregrinos de San Ludgerus, 81", provenientes da mesma diocese. Renovação e aprofundamento da nossa vida religiosa significa sempre revisão e observação retrospectiva das fontes originárias da nossa fé. Oxalá obtenhais em abundância esta graça no vosso encontro com os lugares sagrados e se renovem o vosso ânimo e as vossas forças na missão cristã dentro da própria família, da escola e da sociedade. Para isso concedo-vos de coração a vós e a todos os peregrinos de língua alemã aqui presentes, a Bênção Apostólica.

Aos membros da Associação Cultural de Osaka (Japão)

Apresento as boas-vindas a todos vós,, membros da Associação cultural de Osaka. Saúdo todos de coração e, mediante as vossas pessoas, desejo abençoar todos os vossos irmãos e as vossas irmãs que estão no Japão.

A 300 Religiosas do Movimento dos Focolarinos

Saúdo agora com particular afecto as 300 Religiosas pertencentes ao "Movimento Internacional das Religiosas do Movimento dos Focolarinos", que vieram a Roma, provenientes de 50 Nações dos cinco Continentes, para aprofundar, no Centro Mariápolis de Rocca di Papa, o tema geral deste ano: "A vontade de Deus".

Como já tive ocasião de dizer a precedentes grupos de Focolarinos, recordai-vos nestes dias de oração e de meditação que a "vontade de Deus é a nossa santificação", segundo as palavras do Apóstolo Paulo (cf. 1 Tess 4, 3). Se fizerdes desta bela exortação a razão de ser da vossa vida religiosa, o Senhor certamente não deixará de vos enviar as suas luzes, as suas energias e os seus confortos para aderirdes cada vez mais plenamente à vontade divina, onde reside a nossa paz. Acompanho estes votos com unta especial Bênção Apostólica.

Aos Doentes

Caríssimos doentes, a minha saudação particularmente afectuosa chegue até vós que sois aqueles que estais mais próximo do meu coração pela dívida de reconhecimento que tenho convosco: penso, de facto, no enorme dom das vossas orações e dos vossos sofrimentos que ofereceis ao Senhor pelo meu ministério.

A vossa presença na Sé de Pedro é nestes dias particularmente significativa, por coincidir com o período litúrgico que nos introduz nas celebrações da Paixão do Senhor. Não vos esqueçais que a sexta-feira santa é só momento de passagem para chegar à alegria da Páscoa, que é plenitude de vida em Cristo crucificado e ressuscitado.

Confiai-vos a Ele na vossa oração quotidiana, confiai-vos a Maria, Mãe Dolorosa.

E também a minha recordação ao Senhor, à qual uno de bom grado a confortadora. Bênção, vos acompanhe sempre.

 

© Copyright 1981 - Libreria Editrice Vaticana

 



© Copyright - Libreria Editrice Vaticana