Index   Back Top Print

[ IT  - PT ]

.

JUBILEU DAS ASSOCIAÇÕES LAICAIS

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

Basílica de São Pedro
Domingo, 20 de Novembro de 1983

 

1. Ele é "o Princípio, o Primogénito dos mortos" (Col. 1, 18).

São Paulo indica o Gólgota: a cruz. De facto ali Cristo aceitou e sofreu a nossa morte humana. E ali também se tornou "o Primogénito dos mortos".

São Paulo indica contemporaneamente a Ressurreição.

Como "Primogénito", Cristo é o "Princípio" do Reino de Deus na terra. E Ele mesmo é o Rei.

A todos vós aqui presentes, caros Irmãos e Irmãs, mas de modo especial aos membros das várias associações e movimentos eclesiais, quero antes de tudo apresentar o Cristo que hoje celebramos, o Cristo na sua realeza messiânica, tal como resulta das leituras desta Liturgia.

Hoje, de facto, último domingo do ano litúrgico, honramos e adoramos Cristo como Rei. Esta solenidade é quase uma síntese do mistério salvífico inteiro. Inscreve-se com particular expressividade no contexto do Ano Jubilar da Redenção; ou seja, o presente Ano Santo.

Vós, caros Irmãos e Irmãs que vos reunistes hoje na Basílica de São Pedro, estais e sentis-vos particularmente unidos ao mistério deste reino no qual Cristo como "Primogénito dos mortos" é "o Principio" de todas as coisas. É o Rei.

Deste mistério deriva a vossa vocação. O vosso apostolado.

2. O Evangelho de hoje segundo São Lucas encerra em si toda a eloquência dramática da verdade sobre Cristo-Rei.

Vede: Cristo foi crucificado: por cima da sua cabeça foi colocada uma inscrição em grego, latim e hebraico: "Este é o rei dos Judeus" (Lc. 23, 38).

O título "o Rei dos Judeus" refere-se na consciência do Israel de então à tradição dos reis, que tinham reinado na sua nação. Antes de tudo recordava o maior de entre eles, David, de cuja unção para rei fala a primeira leitura da liturgia de hoje.

Todavia, a inscrição "o rei dos Judeus" é sobretudo um motivo de acusação que o Sinédrio apresentou contra Cristo a Pilatos. A acusação é falsa. Nós sabemos que resposta, a este propósito, deu Cristo a Pilatos: não sou rei. No Calvário, porém, não há ninguém que lute em Sua defesa. Por outro lado, estão presentes sob a cruz os adversários de Cristo, e os soldados podem impunemente troçar d'Ele: "se és o rei... salva-Te a Ti mesmo" (Lc. 23, 37).

O título "real" é referido ao Crucificado apenas por zombaria. Mas eis que entre estas zombarias, improvisamente do alto de uma das cruzes próximas se ouve a voz "Jesus, lembra-Te de mim quando estiveres no Teu reino" (Lc. 23, 42).

Di-lo um dos dois malfeitores que foi crucificado ao lado de Cristo. E Jesus responde imediatamente: "Em verdade te digo: Hoje estarás Comigo no paraíso" (Lc. 23, 43).

E aqui coligamo-nos à parte ulterior da reposta dada por Jesus a Pilatos: "Eu sou Rei!... mas o Meu Reino não é deste mundo" (Jo. 18, 36.37).

Por conseguinte, encontramo-nos no centro mesmo da verdade sobre o Reino de Cristo. Esta verdade encontra no Evangelho de hoje uma eloquência dramática.

3. Cristo é rei mediante a cruz e a ressurreição. Precisamente deste modo se tornou "o Primogénito dos mortos" e ao mesmo tempo reconfirmou o seu "primado sobre todas as coisas".

Este primado pertence-Lhe desde o princípio. Ele, de facto, como Filho da mesma substância do Pai — Filho dilecto — é "a imagem de Deus invisível" (Col. 1, 15), "existe antes de todas as coisas; n'Ele foram criadas todas as coisas... as visíveis e as invisíveis... Ele existe antes de todas as coisas, e n'Ele subsistem todas as coisas" (Col. 1, 16-17).

(Primogénito de toda a criatura).

E, portanto, é Rei por natureza. O Seu reino foi inscrito na obra mesma da criação. Ele precede toda a criatura. Toda a criatura desde o princípio traz em si a marca do Seu Reino: porque n'Ele foram criadas todas as coisas". Este é, pois, o reinar do Verbo Eterno. O eterno reinar de Deus na criação realiza-se mediante o Verbo-Filho. A criação é o início do Reino de Deus. É o Reino do Pai no Filho — e mediante o Filho.

4. Este reino tem a sua dimensão histórica mediante o mistério da Redenção. A Redenção entrou na história do homem juntamente com o pecado.

E precisamente este Evangelho de hoje conduz-nos ao Gólgota. Deus não recuou diante do pecado do homem. Não afastou do mundo este Reino que teve início juntamente com a criação no seu Filho.

Pelo contrário: reconfirmou este reino na Cruz de Cristo para reconciliar, por Ele, "Consigo todas as coisas, pacificando, pelo Sangue da Sua Cruz, tanto as da Terra como as dos Céus" (cf. Col. 1, 20).

Assim pois Cristo — Aquele que é "o primogénito de toda a criatura" desde o "princípio" tem nesta criatura o "primeiro lugar", isto é, o reinar; e ao mesmo tempo, como homem, mediante a sua Cruz Ele mesmo "tem o primeiro lugar em todas as coisas", obtém o "primeiro lugar", ou seja, o reinar.

Obtém-no no mistério da Redenção.

Mediante a cruz, torna-se Cristo-Rei.

Mediante a cruz, como "o Primogénito dos mortos", torna-se "a cabeça do corpo, ou seja, da Igreja".

Deus eterno decidiu que n'Ele, Verbo-Filho, "reside toda a plenitude". E mediante a obra da Redenção esta "plenitude" residiu em Cristo e mediante a Cruz.

A liturgia da solenidade hodierna mostra-nos o reino de Cristo — o reino de Deus em Cristo — nestas duas dimensões: da realidade da Criação e da realidade da Redenção.

Nestas dimensões a verdade sobre o reino de Cristo fala-nos desde a profundidade da palavra de Deus.

5. Vós, caros Irmãos e Irmãs — que participais hoje na Liturgia do jubileu extraordinário do Ano da Redenção — estais unidos de modo particular com o mistério de Cristo-Rei segundo a dúplice dimensão.

Diz-nos de facto o Concilio Vaticano II que "Os leigos adquirem o direito e o dever do apostolado pela sua própria união com Cristo Cabeça. Inseridos no Corpo Místico de Cristo pelo Baptismo, robustecidos com a força do Espírito Santo pela Confirmação, são destinados pelo próprio Senhor para o apostolado". "Por isso, os leigos — diz ainda o Concilio —, realizando esta missão da Igreja, exercem o seu apostolado tanto na Igreja como no mundo, tanto na ordem espiritual como na ordem temporal; estas ordens, embora distintas, estão de tal maneira unidas no único desígnio de Deus, que o próprio Deus deseja reintegrar, em Cristo, todo o mundo numa nova criatura, incoactivamente na terra, plenamente no último dia. O leigo, que é ao mesmo tempo fiel e cidadão, deve guiar-se sempre pela consciência cristã em ambas as ordens" (Decr. Apostolicam Actuositatem, 3 e 5.

Muitos outros textos do Concilio reafirmam este fundamento de todo o apostolado cristão na ordem laical e temporal, sob a guia de Cristo Rei do universo e Cabeça da Igreja.

É uma verdade que deriva da unidade mesma de Cristo-Verbo e Filho do homem, nosso Redentor, que prolonga a sua obra na Igreja e mediante a Igreja.

É também a experiência histórica do laicado na Igreja, que sempre, embora de formas mutáveis segundo a diversidade dos tempos e dos lugares, realiza a sua missão segundo a dúplice dimensão da realeza de Cristo, mas em unidade de derivação espiritual e às vezes canónica a partir da fonte eclesial onde se haure na graça e no poder do Rei Crucificado.

6. É, enfim, o testemunho que hoje vós próprios dais nesta Basílica, caros Irmãos e Irmãs membros das várias associações e movimentos eclesiais, que embora trabalhando em tantos campos e segundo denominações diversas, vos reconheceis impelidos pelo mesmo Espírito e chamados pela única Igreja a empenhar-vos na única finalidade, em relação à qual o Concilio despertou a consciência também no laicado: a actuação do reino de Cristo em toda a ordem da criação e da história, restaurado pela Redenção.

Esta obra, em linguagem cristã, chama-se também reconciliação: finalidade do Ano Jubilar sobre a qual detivestes os vossos pensamentos de modo particular nos dias que precederam esta vossa celebração jubilar. Tenho satisfação por terdes considerado esta finalidade como um vosso empenho especial, entre vós e em toda a área das relações eclesiais e sociais. Neste caminho sereis válidos colaboradores no advento do Reino de Cristo.

7. A Vós, pois, que na vossa vocação cristã e no vosso empenho apostólico trazeis como que um particular sinal da união com Cristo-Rei, dirijo-me por fim com as palavras do Apóstolo dos gentios.

Irmãos "dai graças a Deus Pai, que vos fez dignos de participar da sorte dos santos na luz. Ele livrou-nos do poder das trevas e transferiu-nos para o Reino de Seu Filho muito amado, no Qual temos a redenção e a remissão dos pecados" (Col. 1, 12-14).

Irmãos e Irmãs! Por isto demos graças ao Pai!

E dando graças, levemos em nós este reino também aos outros, ao próximo, a todos; levemo-lo como um tesouro inestimável!

Levemo-lo assim, como o levou em si Cristo mesmo, e depois os Seus Apóstolos.

Levemo-lo de modo que este reino, com o poder do Espírito Santo, se difunda no mundo e se aprofunde.

Que se difunda e se consolide com a irradiação da verdade e do amor.

Mediante o serviço da nossa vida e da nossa conduta — embora apesar de tudo o que de menos favorável parece crescer no final do segundo milénio — ressoe, como na liturgia hodierna, aquele brado de agradecimento.

"Hosana! Bendito seja O que vem em nome do Senhor! Bendito o reino do nosso pai David que está a chegar" (Mc. 11, 10).

Hosana

O Pai livra-nos incessantemente do poder das trevas e transfere-nos para o Reino de Seu Filho muito amado.

Amém.

 



© Copyright - Libreria Editrice Vaticana